29.3.12

Morte de Isabella completa 4 anos; Nardoni recorre contra júri

Quatro anos após a morte da menina Isabella Nardoni, a defesa do casal condenado pela morte da criança recorre à instâncias judiciais superiores pedindo a anulação do júri por impossibilidade de defesa em virtude do alegado pré-julgamento midiático e pela proibição de tramissão televisiva do julgamento, além da adequação da pena considerada muito alta, segundo afirma o defensor dos Nardoni, Roberto Podval. O promotor que cuidou do caso, Francisco José Cembranelli, considera a estratégia "absurda".
No dia 29 de março de 2008, quem ligou para a polícia foi o morador do primeiro andar do edifício London relatando que uma criança havia caído pela janela do prédio. A morte da menina Isabella Nardoni se tornou um caso de grande comoção nacional. No dia 27 de março de 2010 o casal foi condenado pelo júri pela morte da criança. Alexandre Nardoni, o pai, recebeu pena de 31 anos em regime fechado, e a madrasta, Anna Carolina Jatobá, de 26 anos e oito meses. Além disso, os dois foram condenados a outros oito meses de prisão em regime semiaberto por fraude processual.
Na rua onde o crime aconteceu os moradores relatam que, ainda hoje, as pessoas passam gritando em frente ao prédio. "De vez em quando para um carro e alguém grita lá em frente", diz o funcionário público Luis Carlos Alves, 56 anos, que mora próximo ao edifício London. "Fica a tristeza pelo que aconteceu com a menina, abalou os moradores do prédio, abalou a todos, mas infelizmente a menina se foi", disse o morador, considerando que a Justiça foi feita, "só que o mais importante foi o que aconteceu com ela, o que ela sofreu", lamenta.
Os telefones dos pais de Alexandre Nardoni e da mãe de Isabella, Ana Carolina Oliveira, já não são mais os mesmos. Na sua suposta página do Facebook dela, é possivel ver apenas uma foto com a filha em uma piscina.
Apesar do sentimento da população com o desfecho que o caso teve, o advogado de defesa diz que foram apresentados dois recursos no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e um no Supremo Tribunal Federal (STF). No pedido de anulação de júri feito ao STF, a defesa argumenta que a proibição judicial de televisionar o julgamento prejudicou a defesa, porque a repercussão do caso na mídia teria gerado um pré-julgamento do casal.
"No Supremo a gente disputa a impossibilidade de um processo com resultado diferente do que foi. O processo impossibilitava a forma de se ter um julgamento justo, portanto, não teria sentido o júri acontecer da forma como aconteceu, o resultado não poderia ser outro", argumenta Podval. "Tivemos uma defesa impossibilitada de ser exercida com sucesso em função do pré-julgamento nacional. Por isso, defendi que a alternativa de permitir publicidade à defesa poderia aliviar um pouco o peso dos jurados", explicou.
O promotor do caso Isabella, Francisco José Cembranelli, diz que casos de repercussão semelhante como o do jornalista Pimenta Neves (condenado pela morte de Sandra Gomide, em 2006) da estudante Suzane Von Richthofen (condenada pela morte dos pais em 2006) e do assassino do seringueiro Chico Mendes (Darly Alves da Silva, condenado em 1988) não foram televisionados, e nem por isso tiveram seus júris anulados. "É mais um recurso absurdo que é colocado pela defesa dos Nardoni e que deve cair como caíram todos os outros em âmbito local", afirma o promotor.
Eternidade
Sobre a possibilidade de conseguir progressão de pena para regime semiaberto, que é concedido após o condenado cumprir um sexto da pena, Podval diz que esse cálculo ainda nem foi feito. "Eles ainda vão ficar lá uma eternidade, como é cada dia em uma prisão, mas a gente ainda não está pensando nisso, estamos pensando no sucesso dos recursos para dar uma solução diferente para o caso".

Atualmente, Podval, a estratégia da defesa é anular o júri, obter o processo para formação de um novo júri, além da nulidade do que foi feito em função da impossibilidade de defesa, a absolvição, ou então, a redução da pena. "É um caso muito peculiar em virtude da tamanha publicidade que teve, mas a gente acredita na possibilidade de sucesso".

4 comentários:

  1. Saudades eternas de nossa Princesinha, esteja em paz luz da minha vida. Te amo muito, tem amo prá sempre. Daqui até a eternidade!!! Beijos para a Carol, mãe de nosso anjinho de luz, estarei sempre com vocês em meu pensamento, orações e coração...

    ResponderExcluir
  2. Por profunda tristeza, dedico

    Para Isabela e (lamentavelmente) muitas outras crianças...
    Rodrigo Guimarães Pena (mar2009)

    Manchete estampa de horror nossa tela :
    Por que(m) matou-se Isabela?

    Esvai-se, é vida.
    Fatídico, é acesso...
    Será tino moldado-insano,
    Curtido em reverso, faz ano,
    Fazendo mente entorpecida
    Exibir seu perverso, seu profano?

    Que feroz animal
    Investiria com fúria
    Sobre a cria,
    Despejaria ira
    Forjaria dor
    Esmagaria o amor,
    Poria atroz final
    Na vida que criara um dia?

    Quem perpetuou tal ato
    Perpassando a armadura da tela,
    Atirando sem rumo ao espaço
    O amor paterno, o terno abraço,
    Também deixa em pedaços
    O laço sagrado do sangue...

    Cometeu, de todos, o maior dano:
    Interrompeu sagrada sequência da espécie,
    Nasceu neste ser, a besta, maldita, que cresce,
    Morreu neste ser, a alma, promessa de Deus ao humano...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo demais...Que poema...amei

      Excluir
  3. ELES TENTAM DE TUDO, MERAS TENTATIVAS PARA ESCAPAR DE SEU TRÁGICO FUTURO, DE SUAS PENAS MALDITAS... NÃO FORAM INTELIGENTES NEM UM POUCO QUANDO COM SEUS ATOS INSANOS TIRARAM A VIDA DE UMA CRIANÇA, UM SANTO ANJO DE DEUS... AGORA, SE DEBATEM MAIS QUE PEIXE FORA D'ÁGUA E NÃO ADIANTA CHORAR O LEITE JÁ FOI DERRAMADO... O QUE LHES RESTA AGORA É PAGAR, PAGAR PELO MAL QUE FIZERAM... E QUE DEUS CONFORTE O CORAÇÃO SAUDOSO DA MÃE QUE FICOU SEM SUA PRECIOSA FILHA...

    ResponderExcluir